sábado, 31 de janeiro de 2009

2ª HISTÓRIA

Não quer dizer que todos os dias conte uma, mas hoje, porque me sinto um pouco só e tristonha, resolvi partilhar convosco este momento, que determinou e muito a minha forma de esrar e ser perante os alunos.
Perdoem-me se vos maço, mas ... estou a reviver!

2ª História


Dirigia-me para uma turma do 8ºano, da qual iria ser, além de professora de matemática, também Directora de Turma.
ERA A 1ª VEZ …
Tinha uma enorme vontade de me mostrar tal qual era e partilhar com os alunos os meus objectivos e planos de vida.
Seria seguro fazê-lo de qualquer forma ?
Seria acertado confrontá-los com a “minha primeira vez”?
De repente estava à porta de um anfiteatro. Esperava pacientemente que a funcionária viesse abrir a porta e entregar-me o livro de ponto (era assim na altura ).
O barulho que se fazia sentir quando cheguei, transformou-se em murmúrio e 31 rostos se fixaram em mim.
Confesso que estava gelada, mas pelo que constatei depois ao longo do tempo, tinha conseguido disfarçar bastante bem.
Pedi-lhes que entrassem em silêncio e se sentassem .
Folheei o livro de ponto e como sumário desta primeira lição ditei:
Olá! Eu sou …
Expliquei com a maior segurança que encontrei, o que representava para mim esta frase. Ela pretendia dizer que nesse dia nos iríamos Apresentar, ou seja, que seria uma forma simples, objectiva e honesta de nos conhecermos mutuamente e de definirmos as nossas prioridades, na relação professor/aluno.
Disse-lhes quem era, revelei-lhes mesmo ser o primeiro ano que leccionava, que tentara outras profissões, sem sucesso, porque apenas gostava de privar com jovens, partilhar e transmitir-lhes os meus conhecimentos.
Assumi que teria inicialmente alguma falhas e dúvidas, mas que procuraria, quando isso acontecesse aprofundar os meus conhecimentos e dar-lhes sempre que possível as respostas certas às suas interrogações.
Pedi-lhes depois que me dissessem para além dos seus nomes, a forma como gostariam de ser tratados e os seus objectivos futuros de vida.
Depois de ouvir muitos “ Luís, Nuno, Isabel, Carlos, Médico, Engenheiro, Professora, Dona de casa …” alguém me surpreendeu quando disse ser o “Senhor Pereira”, e que gostaria de ser actor.
Muitos foram os que se riram, mas a turma emudeceu quando lhe pedi que explicasse as suas escolhas.
Disse então que era o filho mais velho de 6 irmãos e que desde os 8 anos tinha a seu cargo o tratamento deles, porque os pais trabalhavam longe e saíam cedo de casa.
Mais ainda … o pai falecera de acidente há 5 anos.
Com um semblante muito sério e compenetrado continuou:
- Não acham que já tenho direito a que me chamem senhor? Não tive outros brinquedos que não fossem bonecos de carne e osso.
- Há muitos “senhores” de verdade que não sabem como se muda uma fralda e se faz de comer.
Quando lhe perguntei o que queria ser no futuro respondeu:
- Lá querer queria ser actor, mas como não há dinheiro vou mesmo para moço de trolha que foi aquilo que o padre disse quando ao baptizar-me me deitou a água na testa.
Todos, ele próprio sorriu, mas completou com o seu ar compenetrado:
- Só uma coisa … Ai isso vou … Vou procurar ser feliz !
Fez-se silêncio na sala e a partir desse dia ele foi sempre para mim, para todos os professores da turma e colegas o “Senhor Pereira”, que acumulava simpatia, responsabilidade, amizade e como mais tarde se veio a constatar, uma tendência fora do normal para representar.
Perdi-lhe o rasto…

Era um dos alunos - hoje provavelmente com 46 anos - que eu gostava de reencontrar.
Esteja ele aonde estiver que SEJA FELIZ!

8 comentários:

Joana Carvalho disse...

Arrepiei-me com as palavras do "Senhor Pereira"... Espero entusiasmada novamente pela próxima história. Beijinho

Artista Maldito disse...

Olá Licas

Uma história encantadora. Venho muito rapidamente agradecer-lhe a gentileza, realmente estive mesmo mal, com febre alta, começo a ficar melhor. O auto-retrato que fez da sua pessoa condiz com a forma de escrever, sincera, sem artifícios, terna.

E vou descansar um bocadinho mais. Beijinhos
Isabel

Fátima André disse...

Como diria o meu orientador de Mestrado: "Avance!"
Estou a gostar imenso. Obrigada pelas partilhas.
Sorrisos :))

Artista Maldito disse...

Bom Dia Licas

Venho abraçá-la, mas ainda à distância, não vá pegar-lhe esta gripe danada, já estou melhor e a pé. Muito obrigada pelo carinho e cuidado, se nada acontecer no sentido contrário próxima quarta-feira estou aí, com os meus 151 centímetros de tamanho. Há um centímetro que está a mais, pois podia ficar-me pelo metro e meio exactos:)

Eu ligo-lhe antes de sair de casa.

Dentro em breve tenho um texto algo polémico para publicar no meu sítio, sobre o estado da educação.

Beijinhos e um Bom Início de Semana,
Isabel

Viviana disse...

Olá Isabel,

Não imagina o quanto gostei do seu texto.

Li-o devagarinho, calmamente, e acho que consegui entrar dentro da história...
Era como se eu estivesse lá.
Arrepiei-me com o senhor Silva.
Mas eu sei que nessa altura era possível encontrar por aí...outros senhores Silva...

Obrigada por esta bela partilha, Isabel.

Continue por favor.
Isto enriquece quem aqui vem lê-la.

Desculpe não ter aparecido durante uns dias, mas estive muito ocupada com a família.

Um abraço

Uma noite tranquila.

Viviana

Sónia disse...

O que será hoje do senhor Pereira?

Artista Maldito disse...

Bom Dia Licas

Ando na minha ronda matinal na visita aos amigos. A gripe está a custar a ir embora, mas eu faço questão em ir aí amanhã. E a Primavera que nunca mais chega.

Beijinhos
Isabel

Socorro Meireles disse...

Licas querida,
O "Senhor Pereira" nos dá uma lição fantástica: apesar das adversidades não abriu mão do bom bom humor e da possibilidade de ser feliz. O Paulo Freire dizia que "ninguém influencia sem ser influenciado" e graças a isso é que vc agora pode dividir conosco a riqueza das suas memorias.
Beijão
P.S. gostaria de passar meu e-mail: socmeireles@gmail.com lhe espero lá.