sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

AQUI ESTÃO OS RESULTADOS!



ALÔ CHEGUEI!

SOU O PAI NATAL E VENHO ANUNCIAR OS TRÊS PRIMEIROS CLASSIFICADOS NO CONCURSO : CONTOS DE NATAL 2010.

Antes de mais parabéns a todos os concorrentes.
Cada um com a sua forma de escrita e com a sua sensibilidade, conseguiu animar este blog e sobretudo provar que estes espaços (blogs) não são como muitos pensam, locais fúteis, de má língua e sem nível.
Quando se quer, a elevação fica patente, a cultura e o bom senso presentes.
Por tudo isto o MEU GRANDE ABRAÇO

Vamos então a saber:

1º lugar: CARLOS ALBUQUERQUE - 94 PONTOS

2º LUGAR: QUICA - 72 PONTOS

3º LUGAR: GRAÇA PEREIRA E CÂNDIDA RIBEIRO COM 52 PONTOS


.


E depois de tudo isto e sem com o que vou dizer a seguir tire qualquer brilho a este momento, gostaria de expressar o que penso...

Será que num concurso como este, é razoável que os concorrentes votem no seu próprio trabalho, sobretudo com a pontuação máxima?

No meu entender tal não deveria acontecer.

Mesmo assim gostava que se manifestassem, pois posso acreditar ser eu que estou enganada.
Fico a aguardar as vossas opiniões, mas sejam quais forem, não gostava que este ponto tirasse o mérito e o sucesso deste concurso e dos seus concorrentes.

Bem-Haja a todos!

LICAS

19 comentários:

palavrasasolta disse...

Olá Licas!
Acabei de ver os vencedores do concurso e tenho de admitir que fiquei uma pouco triste ao perceber que houve quem votasse no seu próprio trabalho - usando a pontuação máxima ou não.
Foi talvez falta de lembrança, mas essa desveria ter sido uma regra a acrescentar: os autores poderiam votar mas não nos seus próprios trabalhos.
Que jeito tem isso? Quando eu pretendo concorrer a algo, conto ganhar com o meu trabalho, mas com o voto dos outros que percebam o quanto ele vale.
Mas mesmo assim foi uma boa iniciativa.
Beijos

Fátima André disse...

Triste e desonesto!
Onde mora o verdadeiro espírito de Natal?

Carlos Albuquerque disse...

Licas,
Aceite como resposta à sua pergunta, aqui colocada com toda a lhaneza:
Encontrei num dos blogues amigos, que tenho por hábito visitar, o seguinte comentário:
“Ahahah! Também já tinha desconfiado que alguns votavam em si próprios! )))”
Quem a si próprio se desvaloriza ou não acredita no que faz, o melhor é não fazer. É o que me move, e não qualquer imodéstia. Votei no meu próprio conto! Li os dez e achei ser o meu o melhor, logo seguido dos 10º e 6º. Esta, aliás, viria a ser a ordem final da classificação conferida pelos vinte votantes, treze dos quais me honraram com a sua escolha. A autora do comentário (também ela concorrente) que nem virtualmente tenho o prazer de conhecer, curiosamente, deu a votação máxima (10 pontos) ao meu conto…!
Por entender que iniciativas como esta enriquecem o planeta dos blogues, promovia-a junto de dois bloguistas, apenas conhecidos do mundo virtual, tendo o cuidado de a nenhum deles ter revelado qual era o meu conto. Se o tivesse feito, isso sim, seria arregimentar simpatias blogosféricas para um acto de “batota”, releve a expressão. Seria uma atitude intelectualmente desonesta, eticamente reprovável, para mim impensável.
Porque não havemos de votar em nós próprios quando concorremos ao que quer que seja? Não o fazem os candidatos a bastonários das ordens? E os autarcas? E os deputados? E os condóminos quando levam uma proposta a votação de uma assembleia-geral?
E não estou a imaginar Maria Cavaco Silva, nas próximas presidenciais, dizer ao marido: Agora, vê lá, não votes em ti!
Numa das visitas ao blogobairro encontrei outro comentário, igualmente de uma concorrente que em mim votou (6 pontos). Escreveu ela “estar mais do que convencida” que o meu conto tinha sido escrito pelo autor do blogue a que estava de visita! …!
Falar claro, ser transparente, é costume meu.
Ponderadas a ironia, com um sorriso mordente, do primeiro comentário, e o que dito está no segundo, decidi não aceitar o prémio, mesmo correndo o risco de a Licas me considerar não cortês. Julgo, porém, que me compreenderá.
Perdoe ter ocupado tanto espaço com este comentário.
Quero, a terminar, dar-lhe os parabéns pela sua iniciativa. Dez participantes e vinte votantes! Um êxito, sem dúvida! Não esmoreça. Promova outras, como bem disse no seu último post, ao serviço da Paz, da Concórdia, do Convívio e da Cultura.
Abraço e Bom Natal.

ematejoca disse...

TODO O MUNDO SABE QUE NUM CONCURSO NÃO É PERMITIDO VOTAR NA SUA PRÓPRIA OBRA!!!

Olha só o Festival da Canção na Eurovisão, nenhum país pode votar na sua própria canção.

O que eu acho, é que nem o Carlos nem a autora do conto 7 tinham necessidade disso, pois escreveram dois contos excelentes, que até foram os meus preferidos.
Quanto à autora do conto 4 teve receio de não ter pontos nenhuns, o que não é vergonha nenhuma.

Minha querida Isabel, o teu mérito ninguém to tira, e o concurso tem de continuar nos próximos anos, pois isto é apenas, UMA TEMPESTADE NUM COPO DE ÁGUA!!!

BC disse...

Eu sou um pouco distraída em relação a certas coisas e nem sequer olhei para as pontuações, já tinha dito atrás, para mim isso não é o mais relevante, o mais importante é participar e escrever algo que seja importante e agradável de ler.

Mas como foi referido, como é óbvio acho que ninguém vota em si próprio isso é muito mau.
Eu há 3 anos que concorro a uma Câmara pedido deles pois enviam-me carta para esse efeito e os poemas quando são enviados nem o nosso nome pode ser posto, tem que ser um pseudónimo.

________ mas isso é com cada um e o seu critério nesse caso que nem é um concurso remunerado como são os outros, não há razão para tal coisa...enfim!!!

Teté disse...

Licas, gostei muito de participar, de ler todos os contos e votar! Obrigada a ti pelo esforço e empenho desenvolvido, só por isso já tinha valido a pena concorrer... :)

Contudo, nunca me pareceu lógico (nem ético) que os concorrentes votassem em si próprios - ou chamassem os amigos para vir votar neles (sabendo ou não quem escreveu, algumas formas de escrita dão para "adivinhar"). Portanto, votei tranquilamente nos que me pareceram melhores, comentei com a Ematejoca que não ia votar por amizade, pois identifiquei tanto o conto dela como o teu.

Numa votação secreta, como nas eleições, é normal que cada um possa votar em si próprio. Numa votação pública, como esta, tal não acontece (veja-se o caso dos eurofestivais, por exemplo). Dito isto, acho que o conto do Carlos de Albuquerque se destacou bastante dos restantes e que mereceu ganhar. Portanto, ele não tinha nexexidade...

Evidentemente que é apenas uma brincadeira, que não vale a pena fazer uma tempestade num copo de água por isso. Muito menos que as pessoas se chateiem. O importante foi participar e, honra te seja feita, o desafio/concurso foi um sucesso. :D

Parabéns aos participantes e FELIZ NATAL para todos!

E para ti, Licas, uma grande beijoca!

Carlos Albuquerque disse...

Alguns dos comentários, suscitam-se observações.
Só as farei, contudo, se a Licas me der permissão para tal, aqui vindo dizê-lo, pois não quero abusar da utilização deste espaço.
Um abraço

Licas disse...

Caros Amigos

Muito longe de querer ver este espaço transformado em "campo de batalha", acho que é dignificante que cada um defenda o seu ponto de vista, de uma forma elevada e com o intuito de chegar a conclusões para situações futuras.

Claro que este espaço está aberto a todos. Peço só que o respeitem e se respeitem, para que depois de tudo possamos continuar a "passar" uns pelos outros sorrindo e desejando um bom Natal.

Um abração

Pó de Estrela disse...

Querida Licas

Venho aqui deixar os parabéns em primeiro lugar a ti pelo sucesso, que eu bem sei como é gratificante, pois o senti no natal passado. Depois dar os parabéns a todos os participantes, pela sua disponibilidade e criatividade.
Relativamente à pontuação, eu não sou ninguém para criticar ou condenar... No meu entender, ninguém deveria votar em si próprio, mas isso é unicamente a minha forma de ver. Concorri, pelo gosto de participar e de partilhar com todos memórias que gosto de reviver principalmente nesta altura do ano. Acho que deve ser esse o espírito a imperar neste género de iniciativa.
É com esse mesmo espírito que desejo a TODOS um Santo e Feliz Natal e que ele nos traga doçura, paz, harmonia e alegria para que possa ele também fazer parte das boas recordações futuras.

Beijo daqui até às estrelas

Carlos Albuquerque disse...

Obrigado, Licas. Longe de mim pretender transformar o seu espaço num campo de batalha. Pelo contrário, ele é, para mim, um campo de conversas de paz!
Vejamos, então:
“Triste e desonesto.
Onde mora o espírito de Natal?”
Morará, certamente, paredes-meias, com quem considera os outros tristes e desonestos apenas porque votam em si próprios. As palavras, poucas e simples que sejam, nada mais dizem do que aquilo que nelas está. Não tenho um espírito feito à medida para cada parcela do ano, festiva ou não. No Natal, que está a bater-nos à porta, sinto (socorrendo-me de Alberto Caeiro) que o Menino bate, dentro de mim, as palmas sozinho, sorrindo para o meu sono.
--
Festival da Canção Eurovisão.
Há muitos anos atrás, estava eu na RTP, participei numa reunião preparatória do Festival da Canção. Discutiu-se, então, o porquê da inclusão no regulamento da regra de que a comentadora fala. Tratava-se de obstar a que interesses comerciais, e outros, pudessem adulterar o espírito da iniciativa. Apenas isso! Apesar de tal, ainda hoje há interesses de estratégia geo-política a orientarem os votos das televisões intervenientes. Ou não é verdade? O que é que isto tem a ver com o concurso que a Licas em boa hora organizou?
--
“Ninguém vota em si próprio. Isso é muito mau”.
Poemas a concurso numa Câmara Municipal.
Autor, que sou, de livro publicado, e outro a caminho, sei que quem se apresenta a um concurso literário fá-lo sob anonimato ou com um número atribuído por ordem de entrada do trabalho. Nenhum autor pode votar no seu ou noutro texto, por tal ser função exclusiva de um júri previamente constituído e anunciado.
É assim! Concorri uma vez a um prémio literário do Circulo de Leitores, conquistando uma Moção Honrosa, entre cinquenta candidatos, que muito me honrou!
A observação da comentadora nada tem a ver, portanto, com o concurso da Licas. E essa de falar em concurso remunerado, francamente não dá para entender.
A blogosfera, assim a entendo, é um espaço livre, fraterno e transparente. Não há motivações para além da grandeza do convívio.
--
Uma palavra especial para Teté que me deu os 10 pontos de votação máxima.
Acha que chamei amigos para votarem em mim? Acredita mesmo no que disse? Não creio…
Quanto ao resto, só me dá razão. Veja o que escrevi sobre o Eurofestival. Não me parece é que tivesse tido necessidade de recorrer a uma expressão criada pelo Herman José. Mas, pronto, se gosta dela tudo bem. Até tem um pronunciar interessante. Creia que não estou chateado nem faço disto uma tempestade. Estou aqui apenas, sem qualquer ponta de acinte, com o sentido de participar numa polémica que entendo saudável. Tão só! A conversar é que a gente se entende (dizia o saudoso Carlos Pinto Coelho), mesmo quando possamos discordar. Não lhe parece?

Rita Rosa disse...

Queridos colegas...
Gostaria de apenas dizer que amei participar do concurso. Hoje mesmo, no meu trabalho, comentava com colegas professores a bela iniciativa da Licas e do empenho de meus colegas que participaram. Nem a Licas e nem vocês imaginam o quanto foi importante ascessar esse blog na semana passada. Onde li a frase "As pessoas são solitárias porque constroem paredes em vez de pontes." (Joseph F. Newton)." Estava passando por momentos muito difíceis e essa frase reiluminou meus valores. Desejo a todos muita paz e estou disposta a contruir com cada um, uma belíssima Ponte. Obrigada Licas.

Teté disse...

Parece-me, sim, Carlos Albuquerque: concordamos em discordar, nesse ponto!

E concordamos que o concurso da Licas foi um sucesso! :)

Bom fim de semana!

maria teresa disse...

Sou isenta em todo este processo pois não escrevi nenhum conto e votei em consciência. Gostei de todos mas tinha que escolher.
Quanto ao que me leva a dar esta resposta digo, se tivesse escrito um conto e o achasse muito bom diferente em várias vertentes dos outros, pela sensibilidade, pelo "local" onde se situa,... porque não votar nele?
Todos temos a percepção de que há quem escreva melhor ou pior do que nós.
Pessoalmente sei que se tivesse escrito sobre este tema, a maioria dos textos apresentados seriam melhores do que o meu!
Para que tal não volte a acontecer deverá colocar-se essa regra : não se votar no próprio trabalho.
As votações foram feitas às claras, quem o fez fê-lo honestamente, não camuflou nada...
Parabéns a todos!
E agora vou ler os comentários que me antecedem, não me quis deixar influenciar.
Nada de falsas modéstias!

ematejoca disse...

Aqui não é um caso de acabar com falsas modéstias, minha cara Maria Teresa, aqui é um caso de ignorância — certos concorrentes não sabem que num concurso nunca se vota no seu próprio trabalho.

Também eu penso, que o meu conto é o melhor de todos, no entanto, conheço as regras!!!

Carlos Albuquerque disse...

Há quem viva prisioneiro da obsessão.
É, ao nível do pensamento, a quadratura do círculo.
A fala franca e transparente, olhos nos olhos, sem ironias ou sorrisos mordentes, torna-se-lhes incómoda.
Por isso recusam, obsessivamente, ouvir as razões de outros. Por isso escutam, apenas, o seu eu. Refugiam-se em território demarcado, de espada na mão. Tridente de palavras: proibir, nunca e ignorância.
Santa, e apesar de tudo para mim tolerável,obsessão!

BC disse...

Peço desculpa por ter falado de facto do concusrso remunerado,___________ só o disse porque como deve saber se já concorreu e eu já o fiz em diversos sítios,e em diversas ocasiões e sempre a convite_______________ e não estou a dizer isto com vaidade porque me sinto bastante humilde e só por isso fiz a comparação, mas tive o cuidado por baixo de dizer que num concurso destes que é uma "brincadeira"___________ "séria", não vejo necessidade, mas concluí dizendo que cada um é livre,
e tem consciência para fazer aquilo que acha certo ou errado, e penso que foi o que fez, eu não o fiz e também senti muito prazer em escrever o meu conto como muitos outros que já escrevi por aí.
Sem mais considerações mas aceitando a crítica.

Isabel Cabral

Canduxa disse...

Licas,

Só me interessa que as pessoas sejam felizes, é para isso que estamos na terra, por isso o importante foi ter participado e reviver um acontecimento tão feliz na minha vida... e tudo aconteceu porque me convidaste a concorrer.
Obrigado amiga!
Ah, penso que devemos sempre fazer e dizer o que sentimos na alma...por isso cada um é que sabe.
Importante mesmo é estarmos bem com a nossa consciência...é isso que nos dá paz e força para continuar o caminho.

Aproveito para dar os parabéns a todos os autores e desejar um Santo e Feliz Natal.

Beijinhos

Graça Pereira disse...

Querida Licas
Primeiro e antes de TUDO os meus Parabens pela tua iniciativa que prova como tu dizes que os blogs não são lugares fúteis e sem proveito algum...
Depois, estou um pouco de acordo com o Carlos...É claro que não se devia votar no próprio trabalho, embora o Regulamento o não previsse..talvez por ser óbvio!
Contudo, como dizia um amigo meu "por dentro das coisas...é que as coisas são". Li os contos e sinceramente, estava indecisa...pedi ajuda de amigos para que os lessem dizendo apenas que eu fazia parte do júri...Escolheram o nº7 por ser completamente diferente dos outros, num contexto muito parecidos uns dos outros... Disse-lhes que era meu. "E daí? Continua a ser o mais interessante"
Longe de mim pensar que estaria envolvida numa polémica.
Licas, minha querida, gostei de participar e farei sempre que mo propuseres mas... agradecia-te que anulasses a pontuação que dei ao conto nº7! Acredita, fico mais feliz, contente na mesma e...gosto muito de dormir a noite toda!!
O Diploma de Participação, agradeço, porque até uma maneira de incentivar outros concursos e outros blogs.
Do fundo do coração, um Santo e Feliz Natal para ti e todos os participantes e votantes.
Beijocas
Graça

nacasadorau disse...

Amiga Licas!

Começo por pedir desculpa por nem sequer ter concorrido.
Sei que não tinha prometido. A época foi má e ainda não passou totalmente.
Não dava então e ainda não dá agora, por isso nem vim votar.
Para ser muito franca, só há dias li um comentário da minha querida amiga Graça que falava no concurso e fez-se luz!!!

Li por alto a controvérsia sobre os votos.
Já concorri por 3 vezes no mesmo Blog e das três vezes ganhei :)
Nunca votei em mim própria porque também não podia fazer tal, mas não sei se não o faria se tivesse essa possibilidade... embora ache que não se deve votar no próprio texto!
O autor é sempre suspeito na sua auto-avaliação.

Conheço muito bem a forma de escrita dos vencedores.
Dou os parabéns a todos.
Sei que os 3 do Pódio mereciam ganhar, independentemente do lugar.

Bem haja pela ideia.

Beijinhos