segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

8ª HISTÓRIA

Olá Amigas

Depois de um fim de semana cheio de sol e AMOR, vou reencontrar-me com o meu Baú de Recordações, para vos contar mais uma história.

Desta vez é triste!

Mas, a vida faz-se exactamente de diferenças e de dias de sol e de chuva.

Com o devido respeito, dedico este momento à minha colega Drª Flora (nome fictício)

Era uma pessoa muito mais velha que eu, talvez muito próximo da aposentação.
No início do Ano 74/75 atribuíram-lhe uma Direcção de Turma, apesar da Senhora manifestar que já não se sentia com coragem para desempenhar tal função.

Um dia, meados de Abril, a colega teve necessidade de chamar à escola os Encarregados de Educação de uma aluna que estava a dar muitos problemas.
Além de faltar às aulas era extramamente mal educada para com os colegas, professores e funcionários.

A Drª Flora enviou, como era costume, uma carta para casa da aluna
À hora aprazada lá estava a família (3 ou 4 pessoas).
Pediram para serem atendidos dentro de uma sala de aula, para que terceiros não ouvissem a conversa.

A professora acedeu!

Passado um bocado a funcionária de serviço naquele pavilhão veio pedir ajuda, porque se ouviam muitos gritos dentro da sala e temia pela segurança da professora.
Quando foram socorrer, já a minha colega estava desmaiada, com um grande hematoma na cabeça.

O que se passou resume-se em duas linhas:

A professora tinha-se enganado ao endereçar a carta. Os E.Educação presentes eram de outra aluna, que não tinha mau comportamento, apesar de pertencer a uma família complicada e conflituosa.
Quando confrontada com o erro, a Drª Flora procurou de imediato pedir desculpa do sucedido, dizendo que tinha sido o cansaço e a sua idade a provocar o engano.

Os pais não aceitaram as desculpas e resolveram dar uma tareia imensa à professora.

Aliás eles já iam preparados para isso, porque ao confrontarem em casa a filha Liliana, com a carta que receberam da escola, ela tinha afirmado que havia um engano. Aquela carta seria para os pais da Madalena, essa sim uma aluna complicada.

A professora foi para o hospital e depois jamais regressou à escola.

Sei que quando chegamos em Outubro para recomeçar o ano 75/76, fomos informadas de que a nossa colega tinha falecido nas férias com um tumor cerebral.

Certamente, pensamos nós, que a atitude dos pais não teria sido a causa imediata para o aparecimento do tumor, mas foi de certeza o meio mais fácil para o seu desenvolvimento e posterior desfecho.

Isto passou-se há 33 anos!

Hoje os professores continuam a sr maltratados e humilhados.

Será Justo?

13 comentários:

ematejoca disse...

Vim aqui ao seu blogue, Licas, para lhe pedir uma coisa. Li a história e fiquei horrorizada.
Estive para ser professora, que sorte que tive em mudar de ideias.
A minha melhor amiga é professora, e diz sempre, que piores do que os alunos são os pais... mas numa coisa destas nunca ouvi falar. Também nunca vi irem 4 pessoas para falar com uma professora. Que monstros. Não foram presos? Se fosse juíza, não tinha dó nem piedade com eles. Ainda estou a tremer.

Boa noite!

Artista Maldito disse...

Bom Dia Licas

O que a Teresa diz tem toda a razão. E digo exactamente o mesmo, "se fosse juíza não tinha dó nem piedade". Isto é indesculpável, mais ainda, os professores querem educar, querem ajudar, transmitir saber e é assim que são tratados? Impunemente?

Eu fico sempre, mais do que indignada, preocupada.

Mas estes dias têm-nos brindado com um sol tão generoso que vamos aproveitando esta felicidade de uma Primavera a acenar-nos.

Beijinhos
Isabel

CarlaSofia disse...

querida Licas, realmente é uma história muito triste e dá que pensar na falta de respeito, educação dos próprios pais e familiares. A violência é uma constante com tendência a piorar, mas julgo que em muito de deve à falta de formação e ausência de valores.
beijinhos e retribuio os votos de feliz semana

Fátima André disse...

É arrepiante a história. Infelizmente continua a haver situações tão graves como esta.
Penso que se podia prevenir este tipo de situações com outras políticas sociais e outras políticas educativas, mas enfim, é o país que temos... talvez o país que merecemos...

Isa disse...

Obrigada pela sua visita. Assim deu-me oportunidade de a visitar e
ler "coisas" muito interessantes.
Tenho q.agradecer a Deus pq.,na minha caminhada de Professora,nunca
deparei com uma situação tão grave.
Boa semana.
Abraço.
isa.

Kleine Hexe disse...

Boa tarde Licas,
Triste facto este...que relata. A violência nos dias de hoje cresce a olhos vistos e infelizmente os valores como a luta pela educação e crescimento pessoal parecem cada vez mais esquecidos e "violados". Tanta coisa que não me parece correcta...

Beijinhos para si.

Teté disse...

Criaturas cobardes como estas, merecem prisão e que atirem a chave fora...

Não vejo porque é que as escolas não tem mecanismos para se defender destas criaturas violentas e mesquinhas, nomeadamente através de activação de queixas civis e penais nos tribunais. E isto não devo ser só eu que não entendo!

Beijinhos!

Sónia disse...

Não é justo,não.
Olhe, eu sou nova mas quando andava na primária as coisas eram muito diferentes de agora. Não havia desrespeito e quando a professora punha alguém de castigo os pais não iam armados de varas e varapaus como agora. O professor tinha outra autoridade. Não digo que nunca errasse, mas agora então, cometem-se erros espantosos. Por isso é que nos dias que correm a maior parte das crianças não têm noções de saber-estar, de respeito, de valores familiares. Até são capazes de jantar agarrados ao telemóvel...

Artista Maldito disse...

BOM DIA LICAS

Passei com a brisa da manhã para lhe desejar um dia tranquilo.

A Sónia diz algo que também a mim irrita. Que mania tão indelicada que algumas pessoas têm de estar à mesa com o telemóvel ao lado. Mas será que agora as regras de educação são para ignorar?

É interessante ver ainda em filmes americanos a tradição que inicia as refeições em família, com uma oração de agradecimento. Lembro-me de o meu Pai insistir nesse hábito. Não digo que essa tradição seja obrigatória, mas a ânsia e o stress podiam ser evitados pelos maus hábitos incutidos em algumas pessoas.

Beijinhos
Isabel

Viviana disse...

Olá Isabel

È impressionante esta história.

Infelizmente, passados estes 30 anos...coisas idênticas continuam a acontecer cada vez mais por aí.

Sabe que me intristece?

Como é possível?

Creio que tem a ver com os princípios e valores de cada um...

Como mudar isto?

Que haja alguem que o consiga.

Seria muio bom.

Um abraço

viviana

Joana Carvalho disse...

Uma história com contornos algo complicados de facto...! :-/ Infelizmente, há pessoas que não sabem resolver mal entendidos a não ser com violência em vez de diálogo, afinal...errar é humano, e toda a gente erra! Há que ser compreensível...
O nosso café parece que vai ficar adiado para a semana a seguir ao Carnaval, pois vou agora dia 20 pa Madeira e volto a 1 de Março.
Bjs

ematejoca disse...

Esta madrugada venho trazer-lhe um desafio___ é muito interessante, porque a Licas tem de acertar nas minhas 3 mentiras.

Helena Varandas disse...

Boa Tarde Licas!
Não não é NADA JUSTO e eu pergunto-me pelo que ouvimos dos nossos filhos diáriamente, pelo que lemos nos jornais e ouvimos na tv, ONDE E QUANDO VAMOS NÓS PARAR??...
Tenho 1 irmã e 2 sobrinhas no ensino e sei bem as dificuldades que elas passm diáriamente para tentarem não só LECIONAR como EDUCAR os filhos dos outros!
Mas temos de ter fé que um dia tudo isto mude e se altere para bem do futuro dos nossos filhos.
Beijinhos grandes para si e boa semana
Helena