terça-feira, 3 de junho de 2008

O ZECA ...



Este boneco chama-se Zeca e tem uma história.
Há 67 anos, nasceu uma criança do sexo masculino loirinha, de olhos verdes, a quem chamaram José. Como prenda a madrinha deu-lhe este boneco de celulóide - o último grito da moda na altura -.
O Zeca, assim foi baptizado, viveu muito perto da criança e no seio da família.
Quem o adorava era a madrinha, senhora solteira, com uma enorme empatia com as crianças.
Um dia a madrinha começou a envelhecer e o Zeca a ser a sua companhia preferida. Já estava mesmo muito velhinha, mas toda ela sorria, quando o José e a mulher, vestiam o Zeca de acordo com a estação do ano.
Tinha um fatinho de malha azul e um fatinho de piquê branco com florinhas.

E assim se passaram os anos.
A madrinha há três anos partiu. Deixou a família, os amigos e também o seu Zeca.

Ele voltou para o José.
O José teve um neto - o João - que aos 3 anos foi para o infantário.
A avó para perpetuar esta data e a tradição da presença do Zeca na vida da família, vestiu-o com esta roupa que é uma réplica do uniforme do infantário do João.

O Zeca tem agora 67 anos, mas mantém o seu cabelo louro e os seus olhos verdes e doces Parece mesmo que os anos não passaram por ele.

É bom abrir-se por vezes o Baú das Recordações!

5 comentários:

Maria do Carmo Cruz disse...

Licas, a sua história do Zé e do Zeca não engana ninguém... Também não me parece que o quisesse fazer...
Mas vou dar-lhe um conselho: viva intensamente a sua vida com o Zé. Ame o filho, adore o neto, mas VIVA com o Zé. Ninguém me avisou que havia duas pessoas que morreriam: a minha Querida Sogra e o meu Marido. Quando ela morreu tinha 89 anos e pergunto a mim própria onde é que eu tinha a cabeça. Havia tanta coisa para a gente fazer! Que não fizemos. E depois, quando Deus me veio buscar o Manuel, sem aviso, ai como me zanguei com Ele! O nosso sonho era envelhecer juntos. E por muito que eu lhes sinta a presença (sim, dos dois, cada um com a sua utilidade, digamos assim), eu preciso de tocar. E não posso, não chego lá. Por isso toco estes "pequeninos", os que têm fome, os que querem aprender, os que querem um pouco de consolo nas suas vidas. E chega? Só para uma parte do coração. O maroto é elástico e fiel, guarda sempre os espaços.
Não se iluda com o tom conselheiral: acordei com quinze anos e estou vestida a preceito... Um abraço da Avó Pirueta

Anónimo disse...

Olá Isabel,
Gostei muito da sua história, o seu blog está cheio de amor. Também eu vivo intensamente a vida das minhas velhinhas, uma com 93 e outra com 94 anos,a primeira a mãe do meu marido, minha sogra e de quem gosto muito, a segunda a pessoa que ajudou na minha criação, educação, e que também me ajudou com as minhas filhas, por isso elas lhe querem tanto é a (AVÓ) que elas tanto amam e respeitam.
Sentem ainda hoje o carinho com que a sopinha estava feita quando chegavam do colégio, os segredos que partilhavam. Orgulho-me que elas tenham esse respeito e não se esqueçam de o retribuir. Eu e o meu "XICO", que já conheço há 41 anos, casados há 32, cada vez estamos mais apaixonados. Adoro a minha familia e espero viver nesta alegria muitos anos. Um beijinho da,
FINA

Anjo Negro disse...

goste tanto do que li =)

olha linda eu não me vou alagar no comentário por falta de tempo pois, vou estudar amanha tenho teste

bjs

Meus Netos Minha Fortuna disse...

Olá querida Isabel
Lindo o seu texto, sobre o Zé e o Zeca!

Ainda bem que pelo meio há o netinho João...para que tudo seja mais doce!...
Eu sei que os olhos são verdes e doces...assim como sei que a Isebel tem de olhar sempre em frente, aproveitar todos os momentos da vida os bons e os menos bons...estes fazem com que ainda cresçamos mais e saiamos mais fortalecidas!

Como gosto muito de si...e a Isabel sabe, quero hoje pôr um bocadinho de colrido ao seu blog e a si...!

Faça o favor vá ao meu blog, no lado direito tem lá um miminho para si ...diz...PREMIO CAMINAMOS JUNTAS...traga-o para o seu cantinho, pois eu terei imenso prazer em caminhar juntamente consigo!

Deixo-lhe um grande beijinho com muito carinho e amizade

Cassilda

Cor de Mel disse...

Olá Licas,
Amei todos os "posts", poemas e textos que nos deixou, mas a história do Zeca encantou-me por demais...
É lindo o Zeca e que história tão linda a que tem por trás dele...
Beijinhos e bom fim de semana,
Lia.